Versos livres XVI

E as histórias de amor são assim
Como uma flor cheia de espinhos
Tormenta repentina de verão
Paixão que te ergue e também que te derruba
Num oceano profundo
Imundo o mundo não sabe
E nem o que cabe nas suas mãos.

Não é verdadeiro
De olhos abertos
Colocar no mural
Cartões com versos de amor

Não é verdadeiro
Escrevendo isso
No status você pode enganar
Sem mostrar seu rosto

E as histórias são contadas
Do jeito torto
Do jeito que alguns amam
Como andar na contra-mão
Deslizar na corda bamba
Num precipício profundo
Em queda livre
Caindo, caindo e caindo
E sumindo…

Anúncios

Um comentário em “Versos livres XVI

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s