Lá fora

Do alto da ponte
Pra baixo a via
Minha vida refletia
Nas águas que rolam
Por entre as pedras e correnteza (se houver)
Fujo pra margem
Como escapar do mundo lá fora

O dias são difíceis
Um pouco complicado
Tudo tem que haver um complô
Mas não pelas atitudes alheias
E sim pela minhas falhas e decisões

Do alto da ponte
Apenas a vejo
Não quero retornar
Apenas seguir em frente
E atravessa-la.
Vagarosa ela vai
Chuvinha
Carinhosa a brisa a beija e sai
Seus lábios postos em calar
Como escapar do mundo lá fora …

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s