Logística Reversa

Aquilo que foiNão volta como eraReciclarSão poucos que fazemComo voltarAssalto do tempo?Não será como antesNunca será…Aquilo que já foi vividoSeguiu o curso do rioLançar-se ao oceanoSeus feitos e defeitos Marchas Para a batalhaA carne corrompe o espíritoToda a fome de poderMorder a face podre da maçãComo voltar?ReciclarAlgo que não vai serComo era antesAmor vividoNão correspondidoComo […]

Leia mais Logística Reversa

Coração fatiado em pão de centeio

Foi poucoO que houveCoração fatiadoEm pão de centeioReceio em lhe dizerReceio em lhe ofenderEspero a chuva acabarO trânsito maneirar o fluxoDeixo de lado o luxoDe escolher para onde vouFoi poucoFoi por muito poucoAssim morreuComo um desconhecidoFaleceu e desconheceuAssim acabouToda a prosaDespetalada a rosaE você sequer notouTodo acorde soouErrar é fodaE aí você acordaO que foi […]

Leia mais Coração fatiado em pão de centeio

Voltei !

Consegui recuperar minha conta e também estou no Instagramhttp://@deivid.thelarks e também mudei o nome agora se chama versos que me deixa livre. Abraço e boa noite!

Leia mais Voltei !

Paz?

Atendendo ao Desafio Literário, dessa vez proposto por Sandro Ernesto do blogue Panografias, o tema da vez é PAZ, abaixo segue meu poema A Paz e o Caos. É bem interessante perceber a peculiar visão de cada um, passe lá para ler os links, já têm várias participações, mais que isso, sugiro que participem para […]

Leia mais Paz?

William Blake

Augúrios de inocência Ver um mundo num grão de areia, E um céu numa flor do campo, Capturar o infinito na palma da mão E a eternidade numa hora Um tordo rubro engaiolado deixa o céu inteiro irado Um cão com dono e esfaimado prediz a ruína do estado Ao grito da lebre caçada da […]

Leia mais William Blake

Olhar Cult- Erich von Däniken

Eram os Deuses Astronautas? (Erinnerungen an die Zukunft, no original alemão) (The Chariots Of The Gods?, em inglês) é um livro escrito em 1968 pelo suíço Erich von Däniken, em que o autor teoriza a possibilidade das antigas civilizações terrestres serem resultados de alienígenas (ou astronautas) que para as épocas relatadas teriam se deslocado.[1] Von […]

Leia mais Olhar Cult- Erich von Däniken

Olhar Bacana Franz KafKa

O Processo (no original em alemão, Der Prozess) é um romance do escritor checo Franz Kafka, que conta a história de Josef K., que acorda certa manhã, e é processado e sujeito a longo e incompreensível processo por um crime não especificado.[1] Segundo Max Brod, amigo pessoal de Kafka, o livro permaneceu inacabado como estava […]

Leia mais Olhar Bacana Franz KafKa

Olhar bacana Hermann Hesse

O lobo da Estepe – Hermann Hesse “…como admirava, então, aquelas enevoadas tardes de outono ou de inverno! Como respirava, ansioso e embevecido, a sensação de isolamento e melancolia, quando, noite adentro, enrolado em meu capote, atravessava as chuvas e tempestades de uma natureza hostil e revoltada, e caminhava errante, pois naquele tempo já era […]

Leia mais Olhar bacana Hermann Hesse

I have to live better.

Tenho que viver melhor, melhor do que já fui antes Desse jeito, não há expectativas As margens caiem, porcentagem da desgraça O dinheiro não vem de graça, basta acordar cedo e ir trabalhar Tenho que me redimir, a hipocresia um defeito soberbo do homem Não importa a crença, importa que o bem vença Tenho que […]

Leia mais I have to live better.

Estradas

Meio confuso o que está acontecendo Nossa química entre irmãos ultrapassando a razão O tempo vai passando e as respostas não estão vindo O agridoce do teu beijo ainda sinto em meus lábios Não falo de mulheres e nem de homens O amor que me refiro é o amor de viver livre Como os pássaros […]

Leia mais Estradas

“”

“TODAVIA A BENDITA VIA DIREITA E ESQUERDA A MERDA QUE SE OUVE A CARNE À VÁCUO QUE SE VENDE CONFETES DISFARÇA A GARÇA QUE PESCA PEIXE VOCÊ É UMA PIRÂMIDE PESCADO E CONGELADO.”

Leia mais “”

As coisas…

As coisas nunca mudam Pode mover-las e trocar As coisas nunca mudam Pode até melhorar Ao que tudo indica As setas podem até mentir Até o mesmo o sorrir Pode enganar e fingir As coisas nunca mudam O velho fica mais experiente Mas não o mais sábio As coisas nunca mudam Palavras e rimas se […]

Leia mais As coisas…

Passo largo

Hmmmmmm Os zunidos Hmmmmm Os zunidos Hmmmmmm O mestre ensina O pastor prega O mentiroso nega O ladrão foge Muitos estão em cima do muro Outros espiam pela fechadura Alguns depositam a sorte numa ferradura Outros no sangue lavado na cruz. Assim caminha Aquele velho conceito sobre a humanidade A passos largos para trás Perto […]

Leia mais Passo largo

Pedro Ruas (Mais uma canção)

        Pedro Ruas    (Una canción más) Pedro caminha sem eira e beira Sem pensar em nada Desacreditado dessa fantasia De amor e para sempre. Pedro caminha sem parar Ruas fedendo a urina de mendigos Cidade suja e esburacada Cheia de pecados em seus becos e penumbras. Mais um poema Do dilema e da diadema […]

Leia mais Pedro Ruas (Mais uma canção)

Os dias se foram.

-Os dias se foram! Meus sonhos arvoram minhas ambições. Os dias passam e você nem perceberá, as ondas se quebram e voltam para o mesmo lugar. Você sabe que eu vou atravessar O sol morre para o oeste e lá você vai um dia também. Você sabe que vou cruzar, mas algum dia eu vou […]

Leia mais Os dias se foram.

Docente

Um brinde à saúde Seu riquinho idiota Calça de seda Perfume francês Brinca assim Assim queimará Teu fim? Só Deus sabe Cabe na cabeça? Chapéu de burro Sentado lá no fundo Maquinando a carnificina Docente sente assim Afim de… Silenciar as bocas Silenciar as vozes Brinca assim Assim queimará Teu fim? Só Deus sabe

Leia mais Docente

Sem título.

Eu acredito nas tuas ações, maldito seja aquele que mente. Olhar para os lados e ter medo de seguir em frente O que outros tem a dizer? Sabedoria demais faz mal Traz guerra e terror Na paranoia americana Terroristas nós somos. Eu (des)acredito nas tuas verdades Fala mansa e gesto de solidariedade Capa da revista […]

Leia mais Sem título.

Píer dos cães sarnentos.

Meus versos Sem versos Linhas brancas Sem coragem pra escrever. Meu universo Disperso neste verso Reverso das horas Das palavras soltas. Do medo e receio Do erro ou da falta Malta derramada Na mesa de madeira. Sem eira e nem beira Ode oh! Pablo Neruda Muda mulata Que vejo desfilar. Rapazes hipnotizados Marujos a naufragar […]

Leia mais Píer dos cães sarnentos.

Através da escuridão do fim.

Através da escuridão eu mergulho de cabeça Nunca esqueça de quem sempre te amou Fique quieta, estou trazendo a luz… Dias péssimos todos já tiveram Algumas lágrimas e perdas Temos o livre arbítrio Para o bem ou para o mal Através da escuridão eu mergulho de cabeça Nunca esqueça de quem sempre te amou Fique […]

Leia mais Através da escuridão do fim.

Quebrar as paredes.

O medo distorce A realidade muda No caledoscopio Imutável o ver Na taça serve-se ópio As pupilas dilatadas Presas na fixação Tudo faz parte da ilusão Quebrar as paredes Do quinto do andar Agora sou Um pássaro que voa Da janela pequena Enxergo uma vastidão Meu coração no porta joias Posso chamar de tesouro A […]

Leia mais Quebrar as paredes.

Olhar Bacana García Lorca

    ODE PARA SALVADOR DALI Uma rosa no jardim alto que você deseja. Uma roda na sintaxe pura do aço. A montanha despojada de névoa impressionista. Cinzas olhando para fora das últimas balaustradas. Pintores modernos em seus estúdios em branco, Segure a flor esterilizada da raiz quadrada. No dilúvio do Sena um iceberg de mármore […]

Leia mais Olhar Bacana García Lorca

парадокс/Paradoxo

O céu profundo e roxo Na noite púrpura O frio que congelava as pontas dos dedos Meu paradoxo, meu caminho Como poderia dizer adeus a você que não está aqui? Como remediar a dor se não há cura pra ela? O tempo vai esculpindo O meu caráter e o meu ver Tudo aquilo que passou […]

Leia mais парадокс/Paradoxo

You did what?

Fizestes o quê? Quando o fim era uma metáfora Calaste por quê? Quando o silêncio (incoveniente) não reagia. O cigarro queima Lento no cinzeiro O tempo passa Aos olhos do detento. Fizestes o quê? Nas sombras se esconde os maiores segredos Calastes por quê? Sem palavras não merece meus aplausos. O cigarro queima Lento no […]

Leia mais You did what?

A rosa doente.

Triste, tão triste o azul de seus olhos Grite, então grite poderá ajuda-lá Não chore, ele não merece cada gota de suas lágrimas A rosa doente Depente do amor verdadeiro Desolada no alto da colina Vendo o amor ir embora Traidor o abandonou Cacos ao chão Quebrada, de pulsos cortado Linda já foi rosa doente.

Leia mais A rosa doente.

Ruas.

Ruas sujas nuas as damas Ruas escuras curvas incertas Ruas cruas as carnes podres Ruas suas curvas se vai Viae feminarum sordida nudus Incertum viae tenebris curvae conputruerunt iumenta in plateas rudis cibum Viae illorum erit curvae

Leia mais Ruas.

Tenente Cascavel

Arranca o véu Mostra-me a tua verdadeira face Teu veneno escorre nos meus lábios O gosto da morte descendo pela garganta Desce queimando como absinto Caindo no fundo do estômago Queima! Tenente Cascavel Teu véu caiu Próximo da meia noite O coito do absurdo As flores negras devoram Sem pudor o odor das outras E […]

Leia mais Tenente Cascavel

Moinhos

Vai passando as flores E as dores também Além dos versos e primaveras Que descreveu Passará Passará A pele lisa algum tempo, cheia de rugas E a juventude envelhecerá Passará Passará Como as águas que passam E secam de baixo da ponte Águas que move moinhos E que moe o trigo Passará as horas E […]

Leia mais Moinhos

Do nosso lado.

Tu sabes Conhece meus passos Por onde eu caminho A direção que eu tomo Tu sabes Conhece meu coração Meu pensar e atitudes A direção que eu tomo Aonde quer que eu vá Aonde quer que eu vá Jeová sempre estará Do meu lado. Nas minhas tristezas Nos meus erros Na solidão Sempre estará.

Leia mais Do nosso lado.

Cidade do pecado.

Sobe as cortinas A noite vem chegando Cobrindo os arranha céus Com a sua escuridão Surge as luzes da cidade do pecado O jogo é a ruína de todos Homens perdem a dignidade Na cidade do pecado Homens perdem suas almas Na cidade do pecado Ela é cheia de cores Viva e atraente Suas curvas […]

Leia mais Cidade do pecado.

A cada segundo.

A cada segundo Meu mundo muda Tudo que eu apreço Tem seu preço A cada segundo Meu mundo muda Gira a roda gigante Meu amor distante Balada dos grilos A noite cansada De ser noite ou Cansada de você Que só chora Ouve músicas tristes Bebendo absinto Nem eu sei o que eu sinto Por […]

Leia mais A cada segundo.

Mesmo que fosse assim

Mesmo que fosse assim Os carros trafegando na contra mão O choque é inevitável, perdas e mortes Mesmo que fosse assim As variantes e suas setas Até chegar em algum ponto Me resta sonhar contigo Mesmo que fosse assim A lua apunhalando o sol pelas costas O negro opaco de seus olhos Não me deixe […]

Leia mais Mesmo que fosse assim

Ego ferido.

Não minta Olhe nos meus olhos Não minta Sinta a minha dor Agora sei Toda a verdade A traição Tua aventura carnal Agora sei Meu ego no chão Tá Féliz? Minha dor Oh, que dor…. Eu não acredito mais no amor Não era um cravo E sim uma rosa.

Leia mais Ego ferido.

Algum dia.

Algum dia, ela vai lembrar Quando entender o significado De amar e viver um grande amor. Algum dia, ela vai lembrar Desse jovem que o amou tanto… Fez de tudo Tragédia do cinema mudo Não precisa de legendas Apenas o que foi visto Foram lágrimas e gestos Sem aceno Apenas o fim. Algum dia, ela […]

Leia mais Algum dia.

Ce jour il n’oubliera jamais.

As nuvens estavam carregadas de prantos e indecisões Negras como a escuridão tomada por suspeitas e acusações. Sem um alibe Qual o calibre foi? Os amantes lado a lado Num orgasmo depravado A cama em forma de coração Cheia de clichê e profanação Era meia noite A traição selou O frio da morte O imobilizou […]

Leia mais Ce jour il n’oubliera jamais.

Meu triste domingo.

O adeus é tão difícil de dizer Como as rosas que murcharam no vaso seco sobre à mesa. Lágrimas e lágrimas e lágrimas Escorreram sobre o rosto O gosto amargo de um dia que não tornará a voltar. Meu triste domingo Comigo outra vez Não me canso de ouvir A velha música que faz lembrar […]

Leia mais Meu triste domingo.

Um novo olhar clássicos

William Blake O Jardim do Amor O Jardim do Amor fui visitar, E vi então o que jamais notara: Lá bem no meio estava uma Capela, Onde eu no prado correra e brincara. E os portões desta Capela não abriam, E “Não farás” sobre a porta escrito estava; E voltei-me então para o Jardim do […]

Leia mais Um novo olhar clássicos

O palhaço

Por baixo dessa máscara Não tenho alegria Não faço as pessoas sorrirem Apago as luzes do quarto Deixo a alegria em cada esquina Marcas nas covinhas e risos Cada cidade que passo Nem sinto saudade Nariz vermelho Roupa colorida Debaixo um rosto triste Triste que chora….

Leia mais O palhaço

Multiverso

Me diga/ me diga… No multiverso Eu ficava com você Mas aqui… não É difícil viver Tão perto do certo Vendo você E não poder… ah eu não aguento! Essa canção de amor Cada riff e estrofe Lembro você Aí de mim!

Leia mais Multiverso

Insônia

The Animals foi uma banda de rock britânica dos anos 1960 formada em Newcastle upon Tyne por Eric Burdon, Alan Price, Hilton Valentine, John Steel e Chas Chandler. Wikipédia Casa do Sol Nascente Há uma casa em Nova Orleans Eles a chamam de Casa do Sol Nascente E tem sido a ruína de muitos pobres […]

Leia mais Insônia

Clássicos

Florbela Espanca, in “Charneca em Flor” Enche o meu peito, num encanto mago, O frêmito das coisas dolorosas… Sob as urzes queimadas nascem rosas… Nos meus olhos as lágrimas apago… Anseio! Asas abertas! O que trago Em mim? Eu oiço bocas silenciosas Murmurar-me as palavras misteriosas Que perturbam meu ser como um afago! E nesta […]

Leia mais Clássicos

“Julho”

Eu fiz de tudo pra retroceder Eu fiz de tudo pra reconquistar Porém não fiz por merecer Matar as horas / culpar tempo Ela se foi e me deixou A chuva fria de julho Como lembrança Do que restou do nosso amor.

Leia mais “Julho”

Aberrante.

No jardim brota A flor aberrante Não tão relevante Como o marfim do elefante Que é tirado por qualquer preço Por qualquer preço que é tirado. Brota a flor do avesso Estátua de gesso não fala Réplica de alguém Que idolatra a si mesmo Que morre como Narcisio Que apodrece como os demais feios Brota […]

Leia mais Aberrante.

Insônia

Gotta Get A Hold Of Myself The Zombies Menina, eu sei que você não voltará mais Então, por que por que eu continuo assistindo a porta? eu falo com você Como se você pudesse ouvir o que eu disse Mas eu vou perder a cabeça Se eu continuo agindo desta forma Eu tenho que me […]

Leia mais Insônia

Eu tinha dito.

Eu tinha dito Maldito seja Falta no bolo a cereja Enquanto isso Meu cérebro é batido no liquidificador Eu tinha dito Que as chances são remotas Que as bergamotas denuncia o ladrão Enquanto isso moinhos de vento Eu tinha dito Camarão frito Nem sabes o gosto que tem O sabor do mar Enquanto isso sentado […]

Leia mais Eu tinha dito.

“Entretanto”

Da janela eu vejo Bonecos de neve derretendo E o vento gemendo no sótão Como fantasmas do passado. Falsos profetas aparecem a cada ano na TV Jogando mentiras, palavras de blasfêmia Entretanto, aos prantos o silêncio vira baderna A revolta solta nas tabernas e espurgos O vômito de um beberrão Ou choro de quem perdeu […]

Leia mais “Entretanto”

Transfiguração

Nem começou dia Transbordando a pia A mesma mediocridade Das palavras que sai Diga-me se estou certo Perto das probabilidades Diga-me se a razão É uma música sem refrão Valverdes, ocasiões Mentira e estupidez Iludida uma pela outra E lá vai…transfigurando.

Leia mais Transfiguração

Nuit (revisitando)

Nuit. “Nuit” (em algum lugar em Paris, lês Fleurs Du mal) Eu vejo você apodrecer nessa mesa de bar Homem que algum dia foi pai, marido, irmão de alguém. Eu vejo você apodrecer nessa mesa de bar Esperando a morte chegar. A madrugada se desfaz Mas não traz de volta Os amores que se esquece […]

Leia mais Nuit (revisitando)

Clássicos #2

Nenhuma época soube tantas e tão diversas coisas do homem como a nossa. Mas em verdade, nunca se soube menos o que é o homem. Martin Heidegger

Leia mais Clássicos #2

Sem o que dizer.

Meia dúzia ou seis Não sabe vocês Olhos de coruja Então fuja Pra eles Pra quem Não tem o que fazer… Mil quilos ou uma tonelada Fardo que pesa Até o fim Quem se importa Fecha a porta E manda embora Não tem o que dizer… Acrobatas rodopiando Na corda bamba Cantando lá bamba Me […]

Leia mais Sem o que dizer.

Terça

Terminando o dia assim com boa música. Civil Twilight Stone Temple Pilots Temple of The dogs

Leia mais Terça

Psicodélica ( lenços encharcados)

Pensante Deitado do sofá Bebendo chá O quê fazer? As teorias das cordas Sei lá,nem sei das bordas de catupiry Onde tu estás? Faz tanto tempo Da última temporada Cadê a minha namorada Lenços encharcados De lágrimas e solidões Trafegando no rio Solimões Faço o que eu quero no meu sonho Tristonho meu sol que […]

Leia mais Psicodélica ( lenços encharcados)

Pedras e rolantes.

Pode ser que o céu esteja azul Pode ser que as pedras rolam Até você decidir qual caminho à seguir Vêm a chuva inclinada Guarda chuva não presta pra nada Que merda! Que dia! Termina logo Esse dia, esse jogo Intestino preso Destino louco Pode ser que eu minta e sinta os sintomas Pode ser […]

Leia mais Pedras e rolantes.

“”

As paixões sejam elas violentas ou não, nunca devem se expressar quando chegam a um ponto desagradável; a Música, mesmo nas piores situações, nunca deve agredir aos ouvidos, mas sim cativá-los e continuar sempre Música. Wolfgang Amadeus Mozart

Leia mais “”

O assassino.

Todas as pistas foram apagadas Então iniciou-se o quebra cabeças As pessoas gostam de esconderem as suas verdades Maioria das vezes, sim, elas gostam de ferrar com os outros A noite tece suas armadilhas O vigarista pula o muro Ele trilha a linha de raciocínio É astuto e meticuloso As pessoas gostam de esconderem as […]

Leia mais O assassino.

Ele se foi.

Desta vez Eu aposto dez Que ele não vai voltar Você pode ir embora Embora… essa cidade não lhe pertence mais O sol já caiu ao oeste e se foi Com mala e cuia se foi Falo porque sou teu amigo Enquanto estava contigo Trazia dor e angústia Mentia na hora em dizer “eu te […]

Leia mais Ele se foi.

Um dia irei deixar essa cidade.

Um dia irei deixar essa cidade Chuvosa e cheia de mentiras Onde os fracos despejam suas frustrações Onde loucos voam e se matam na rodovia Todavia as setas conspiram As leis são infringidas e as brechas ruidas Todavia a via que nos mata e consome em pedaços Um dia irei deixar essa cidade Perversa e […]

Leia mais Um dia irei deixar essa cidade.

Lembranças

Nada melhor do que as companhias dos amigos. Lá se vão 8 anos direto do túnel do tempo.  ( à esquerda Jussie, no meio Eu que vós escrevo e a direita Adilson)

Leia mais Lembranças

Verbos e sutilezas.

As sutilezas que surge de seus lábios Deixa cego qualquer nó Brincar assim psicologicamente Com verbos e esporros Altas horas a solução nunca foi essa A paixão tão mais abstrata do que palpável Nem eu bem sei Hei o que dizer… Copos d’água Soluço não passa Sendo assim o término Vendo o fim o mínimo […]

Leia mais Verbos e sutilezas.

Lacunas

Os tempos não são mais os mesmos, glórias do passado não preencha lacunas O que foi vivido se apagará na lembrança do velho que morrerá Então deixa suas lembranças para algum herdeiro Então deixa para alguém que possa cuidar Cresci assistindo western com meu pai John Waney era meu herói Vagas lembranças tenho Onde os […]

Leia mais Lacunas

O som do Sábado #2

Crash Test Dummies Do Álbum God Shuffled His Feet Mmm Mmm Mmm Mmm Mmm mmm mmm mmm Era uma vez uma criança Que sofreu um acidente e não pôde ir a escola Mas quando ele finalmente voltou Seu cabelo tinha mudado de preto para branco Ele disse que foi de quando Os carros o esmagaram […]

Leia mais O som do Sábado #2

A saudade

Nossos corpos formaram um Quando nós fizemos amor pela primeira vez Nossos corpos em brasa Queimamos por várias, várias vezes a noite Minhas lembranças me atormentam A saudade que sinto de nós dois dói demais O fim foi tão sofrido que eu não sei pra onde ir Nossos beijos e admirar teu corpo nu na […]

Leia mais A saudade

Alguém que nos leva a sério

Procuramos a mesma coisa Alguém que nos leva a sério Procuramos a mesma coisa A mesma direção. Um lugar fixo para ficar Um amor para amar. Todos procuram um amor verdadeiro Que não seja passageiro ou tolo Que não nos deixa magoas e rancor Alguém que nos leva a sério. Um lugar fixo para ficar […]

Leia mais Alguém que nos leva a sério

Diferente

“Diferente” Sinto-me diferente Um anjo sem paraíso Um diabo sem inferno Um executivo sem terno Um céu sem estrelas. Sinto-me diferente Uma miragem no deserto Um caminho que não leva lugar algum Um domingo sem sol Um céu sem estrelas. Sinto-me diferente Sem ouvir rock and roll Sem liberdade de expressão Sem canções que falam […]

Leia mais Diferente

Um pouco de poesia.

As Flores do Mal Charles Baudelaire AO LEITOR A tolice, o pecado, o logro, a mesquinhez Habitam nosso espírito e o corpo viciam, E adoráveis remorsos sempre nos saciam, Como o mendigo exibe a sua sordidez. Fiéis ao pecado, a contrição nos amordaça; Impomos alto preço à infâmia confessada, E alegres retornamos à lodosa estrada, […]

Leia mais Um pouco de poesia.

As persianas. #2

Abra, pode entrar O sol da manhã Abra invade meu ser Me ilumine O alívio em te ver Imediato abreviou Por entre as persianas Tapete persa sobre ele me deito Depressão não mais profunda Vales secos sem lágrimas Poesia composta Aquele que gosta escreve A continuidade me permite Revela o ‘brilhar’ novamente Não me sentir […]

Leia mais As persianas. #2

As persianas.

Depressão profunda Que imunda o vale lacrimal Solidão dos dias Me sinto estranho O sol longínquo Frio e inverno Insônia das noites Olhos sem cor Esperando O alívio das horas Passarem Tarjeta preta sem sabor As persianas me protegem Do horror lá fora Fecho meus olhos Espero a passagem.

Leia mais As persianas.

Tempo

O trem parte de uma estação a outra Carregando pessoas estranhas Diariamente milhares de desconhecidos Faça sol ou faça chuva Cada grão que cai na ampulheta do tempo Vai passando Vai passando Os outdoors iluminando as estradas competindo com os faróis dos carros A noite vai passando Vai passando Melancólico o alcoólatra No meio fio […]

Leia mais Tempo

Aí de mim.

A noite desceu suas cortinas Restando escuridão e ilusão Se teu perfume dissipou No ar então restou a saudade Aí de mim Voltar a sofrer Se eu morrer Foi por culpa minha A lua vestia sua camisola Cor negra e cheia de estrelas Ela simboliza você Pálida e sem amor Aí de mim Voltar a […]

Leia mais Aí de mim.

Tabuleiro dos lobos

Depois de tantas luas Pedro Ruas retorna Com lábios sedentos por beijar Sua amada a tanto tempo não a via Com retalhos na farda Cicatrizes no corpo Na memória a crueldade De uma guerra sem lógica Somos peças de xadrez No tabuleiro dos lobos Peregrinos sobem o monte A cada quadra abre uma igreja Homem […]

Leia mais Tabuleiro dos lobos

Zoroastro / Museo Rosenbach

1. O último homem Rosto de luz Eles me contaram sobre você Sua história está no eco das montanhas Muito alto para entrar em nós Em sua jornada eterna, o que você está perseguindo não está lá Sem vida, a vida pode existir sem um fim. É completado dentro de um dia Tem uma sombra, […]

Leia mais Zoroastro / Museo Rosenbach

Poeta em New York

Anoitecer em Coney Island A mulher gorda veio na frente arrancando as raízes e molhando o pergaminho dos tambores; a gorda mulher Isso transforma os octopus agonizantes de cabeça para baixo. A gorda, inimiga da lua, percorreu as ruas e os apartamentos desabitados e deixou nos cantos pequenos crânios de pombos e criou a fúria […]

Leia mais Poeta em New York